Competição – Como Chegar ao Topo…

Texto: José Luis Costa
Fotos: Autor e Arquivo

Introdução

È lógico que muitos pescadores mostrem curiosidade em saber o que fazer para ser um pescador de competição e quais os passos que têm de dar para poder algum dia ser Campeão de Pesca ou participar num Campeonato do Mundo.

Poderia fazer aqui, uma lista com todas as informações do que é necessário para participar no mundo da pesca de competição na modalidade de embarcação fundeada, mas não queria unicamente expor os passos físicos necessários, como são pertencer a um clube federado, participar nos diversos campeonatos regionais e nacionais, etc… sem que tente expor também o que se consegue, que benefícios se obtêm, que esforços e dedicação são necessários, e finalmente que resultados finais se podem obter seguindo todos estes passos.

É na verdade um desafio, uma vez que em muitos casos, temos que falar de sensações, inatingíveis, melhorias que simplesmente se intuem, conhecimentos que são aprendidos, mas eles não são utilizados imediatamente, mas eles estão lá, armazenados para serem implementados quando menos se espera. Por outro lado, existem muitas modalidades na competição, e nem todas necessariamente funcionam exactamente igual, porque existem diferenças e em alguns casos importantes, às vezes motivados por a quantidade de participantes, seja por o grande numero (surf-casting ou água doce) ou noutros por serem poucos (Big Game).

Para evitar problemas, tentarei expor os passos básicos comuns, pois só se pode dar como diferente uma modalidade onde existam fases selectivas prévias derivado ao grande numero de participantes, ou que pelo contrario, se possa aceder directamente a um nível superior da competição por razão de haver poucos competidores, neste caso, todos podem ter um lugar directo a uma fase final de um Campeonato ou simplesmente, como noutros desportos, tratar-se de campeonatos “open”, que é dizer, abertos a todos os desportistas que queiram participar.

O Clube de Pesca

Todo o pescador que queira desenvolver uma actividade desportiva de competição deverá estar filiado num Clube ou Associação de Pesca Desportiva Federado.

Pessoalmente recomendo a todos os pescadores que se inscrevam num Clube de Pesca com pessoas que tenham os mesmos gostos, onde o intercâmbio de informação sobre a actividade permita adquirir constantemente novos conhecimentos e evoluir para melhorar na arte da pesca.

Tenha em conta um facto evidente, que a pesca é uma das poucas actividades em que se dá um caso curioso, mas real: uma pessoa que leve, por exemplo, 30 anos pescando, pode levar 30 anos fazendo mal, normalmente sem o saber, mas apesar de tudo pesca. Num determinado momento alguém lhe explicou o básico para começar a pescar apesar de essa pessoa saber muito pouco, o nosso pescador, durante todos estes anos foi seguindo repetidamente aquele conhecimento tão básico que lhe ensinaram com resultados que nem sempre são os desejados, mas como de vez enquando consegue algumas capturas, considera que já sabe pescar. Portanto, o primeiro passo é ir para um lugar onde outras pessoas pratiquem o mesmo tipo de pesca, ver, observar, trocar opiniões e em definitivo aprender. Uma vez localizado e visto o nível, é conveniente participar nas competições sociais internas que os diferentes clubes organizam, nestas poderemos comprovar se em comparação com o resto dos pescadores, a nossa técnica é boa e permite-nos ficar nos primeiros lugares, ou se pelo contrario estamos ainda muito limitados e necessitamos melhorar.

A pesca é uma das poucas actividades em uma pessoa que leve 30 anos pescando, pode levar 30 anos fazendo mal, sem o saber.

Para um pescador, ou para certo numero de pescadores, é difícil ser humilde e reconhecer as suas limitações, mas para poder chegar a ser um Campeão aprender é a primeira regra básica e nunca se sabe o suficiente, portanto há que aprender continuamente. Há um bom numero de pescadores, e estou seguro que todos conheceram alguns, que pescando “no seu mar” são uns verdadeiros campeões, são quase imbatíveis, conhecem e dominam a situação conseguindo bons resultados, mas, muitas vezes acorre que ao mudar para “outros mares” convertem-se em pescadores vulgares; perdem toda a vantagem adquirida pelo conhecimento da pesca nos pesqueiros favoritos do “seu mar”.

A primeira coisa que se consegue praticando a pesca de competição, supondo que já faz parte de um Clube, é praticá-la numa zona determinada, se não nova, outras neutras para todos e com o lugar de pesca sorteado a bordo. Neste momento, a zona não é boa para o pescador, mas é o pescador quem a converte em boa, essa zona. Ou que é o mesmo que: um bom pescador consegue um resultado aceitável se lhe calhou num lugar mau, enquanto um mau pescador, consegue um resultado discreto numa zona boa… Mau pescador numa zona má é um desastre, e um bom pescador numa zona boa é o vencedor indiscutível da prova.

Portanto, já sabemos que há sempre bons pescadores locais, é dizer, entre um reduzido grupo de pescadores conhecidos que pescam continuamente numa determinada zona, embora não creio que nenhum se possa considerar um bom pescador sem que tenha tido a oportunidade de demonstrá-lo em diferentes lugares e condições, e algumas coisas como a participação em competições dá a oportunidade de demonstrá-lo. Desta forma, participar num campeonato interno do Clube é o primeiro passo para aceder à pesca de competição. Depois, os melhores pescadores de cada Clube, passam a participar no Campeonato da 3ª Divisão.

Passo seguinte: Os Regionais – 3ª Divisão

Sem querer estar aqui a enumerar todo o regulamento interno das competições e visto que existem quase todos os anos pequenas alterações e ajustes ao mesmo, vou tentar descrever abreviadamente o percurso que o atleta fará para chegar ao tão ambicionado campeonato do mundo, que quer a nível individual ou de Selecção Nacional é sempre uma honra conseguir chegar lá. Trata-se de uma competição a nível regional dividida em quatro zonas: Norte, Centro, Sul e Algarve, sendo realizada em três mãos em locais e designar pela Federação, e uma final com os campeões de cada zona para apuramento do campeão nacional da 3ª divisão.

Neste campeonato estamos a falar de zonas com um grande numero de participantes, o que já pode dar uma mostra das habilidades de um pescador: conseguir o apuramento para a 2ª divisão ou ser campeão regional é o primeiro objectivo na competição.

Nos campeonatos regionais, reúnem-se os melhores pescadores dos clubes locais que terão o primeiro contacto com o palco da competição, portanto será a primeira prova em que os melhores pescadores começam a destacar-se dos restantes. Bem, este cenário possivelmente será conhecido de todos, mas só aqueles que são capazes de pescar com exito fora das zonas habituais onde normalmente pescam, começarão a sobresair. Uma vez concluidas as 3 provas, os primeiros classificados de cada zona classificam-se para a 2ª Divisão Nacional.

O campeonato da 1ª Divisão

Com numero de atletas limitado a trinta, este campeonato é disputado em quatros mãos, sendo realizado em dois fins de semana, os locais e datas são definidos pela Federação de Alto Mar, assim como os iscos e os respectivos sorteios das embarcações. Chegar à 1ª Divisão é tão complicado e difícil como manter-se. Sendo que todos os anos descem para a 2ª divisão 14 atletas, isto, implica por si mesmo ser um pescador de qualidade: significa ser bom na 3ª divisão e estar entre os melhores da 2ª divisão, mas também temos a possibilidade, e isto para mim é muito importante, de aprender um pouco mais nesta modalidade e poder evoluir mais na pesca de alto mar.









O campeonato da 2ª Divisão

È um Campeonato que reúne os melhores pescadores que subiram da 3ª divisão e os que desceram da 1ª divisão, das diferentes zonas do País, é realizada em três mãos em dias e locais diferentes, a designar pela Federação, nesta fase já se podem encontrar  bons pescadores, pois classificar-se para a 1ª Divisão Nacional não é fácil, o pescador que alcança este objectivo é sem duvida um pescador hábil, e que já adquiriu um bom nível competitivo, uma vez que em competição é muito importante saber conter os nervos que agora começam a apertar, além de saber pescar à que saber ganhar.

Chegar à 1ª Divisão é tão complicado e difícil como manter-se.

No Campeonato Nacional podemos encontrar um sem fim de coisas diferentes das habituais, uma série de imprevistos que, se não dispomos de uma boa informação prévia sobre o cenário e das espécies, pode dar o motivo de ter que improvisar durante toda a prova, portanto, ambicionar um bom resultado na 1ª divisão é tremendamente difícil: podem ser diferentes as águas, o clima, as espécies, os cenários e todas as variáveis a que podemos estar habitados.

Encontraremos pescadores de todo o país, normalmente todos com um bom nível técnico, mas com formas diferentes de enfrentar o mesmo tipo de pesca. Esta diversidade, se for capaz de estar atento e aprender, pode facilitar-nos muito e melhorar a nossa pesca. Por outro lado, teremos a oportunidade de ver em acção alguns dos melhores pescadores Nacionais. Muita gente ainda pensa que a pesca é simplesmente uma questão de sorte… Pena é que as estatísticas o desmentem claramente e a grande maioria dos Atletas no Campeonato Nacional da 1ª divisão são quase sempre os mesmos, ano após ano. Evidentemente, há mudanças, mas longe de serem aqueles que deveriam existir se realmente fosse a sorte a decidir as classificações. Os melhores pescadores são os que melhores resultados acumulam, são os que normalmente repetem, pois é a técnica e a capacidade dos mesmos quem decide a classificação, não a sorte. Chegar ao Campeonato Nacional da 1ª Divisão dá a possibilidade de avançar mais um passo, e de fazer parte dos cinco primeiros classificados que formam a Selecção Nacional da Federação Portuguesa de Alto Mar, a qual representa Portugal nos Campeonatos Mundiais da modalidade.

Só os melhores entre os melhores conseguem manter-se a este nível de competição, portanto as possibilidades de aprender tornam-se quase infinitas.

Nos Campeonatos Nacionais, também podem estar presentes os responsáveis federativos, inclusivo o selecionador nacional da modalidade, estes, estão durante todas as provas observando os atletas, vendo os seus materiais, a sua arte, a sua técnica e porque não, procurando novos talentos: Portugal é um País muito competitivo na pesca e a cada ano aparecem pescadores mais novos com muitas possibilidades de alcançar bons objectivos, coisa que conseguirão se tiverem a capacidade e a paciência de acreditar que não sabem tudo e seguem aprendendo, evoluindo continuamente. Se nas fases nacionais dizíamos que se podia aprender muito, que dizer dos Mundiais? Se nos nacionais os cenários e as situações podem ser diferentes, num campeonato mundial seguramente tudo será diferente. Os pescadores que tenham a oportunidade de ter essa experiência adquirem uma “bagagem” e facilidade dificilmente igualáveis, assim chegando lá podemos aproveitar os seus conhecimentos.

Conclusão

Todos os desportos criam ídolos e modelos a seguir, e suponho que como todos, eu também tenho os meus, sobretudo na pesca, com alguns atletas além de ser os meus pescadores favoritos, são meus amigos; aqueles a quem considero “maestros”; as pessoas a quem tenho pedido conselhos; as pessoas que me têm guiado e ajudado em momentos que me senti um pouco perdido…

Ser campeão é possível, cada um no seu nível e dependendo dos objectivos que cada um definiu para si, mas o mais importante é nunca perder a ansiedade ou o desejo de superar-se: os campeões são os que mostram a sua atitude em relação à pesca, não porque eles o dizem, mas porque, o tempo e os resultados acabarão por fazer campeões.


Partilhar:


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *