Onde Procurar peixes? (parte I )

Texto: José Luis Costa
Fotos: Autor e Arquivo

Pescar em mar aberto pode ser intimidante para alguns pescadores novos, mas avanços na electrónica, barcos, motores e equipamentos fazem com que a pesca de alto mar seja cada dia mais fácil e mais segura do que nunca.


Encontrar peixes em mar aberto pode ser mais difícil do que em águas mais rasas, mas os mesmos princípios são muito semelhantes: Combinação da correta temperatura da água, tempo, iscas e correntes sobre qualquer estrutura, e nós teremos boas hipóteses de encontrar peixes.

Pesca junto à costa

Quando pescamos junto à costa, procurem predadores que usam a costa como uma barreira natural para encurralar os peixes pequenos, que andem em torno das pedra e corais nas estruturas do fundo ou onde as ondas quebram na praia e voltam novamente para o mar.
Além disso, as ondas quebrando na praia produzem água altamente oxigenada que aquece mais rápido do que águas mais profundas.
Áreas com rochas submersas e algas são também zonas que os peixes preferem. Quando se pesca a corricar, à deriva ou fundeado perto da costa, é importante manter os olhos abertos para águas rasas ou ondas grandes que podem comprometer a nossa segurança a bordo.


Tanto na pesca costeira ou em alto mar, rochas, recifes e barcos afundados são um bom lugar para começar a procurar peixes.


Rochas, recifes e barcos afundados.

Tanto na pesca costeira ou em alto mar, rochas, recifes e barcos afundados são um bom lugar para começar a procurar peixes. Estas estruturas abrigam todas as etapas da cadeia de alimentar e oferecem aos peixes um lugar para se abrigarem das correntes oceânicas.
Quando pescamos em alto mar perto de recifes artificiais ou naturais, procurem por peixes que vivem tanto na estrutura ou patrulham as bordas externas das mesmas. Algumas espécies só visitam uma estrutura em condições de água específica, enquanto outros são residentes durante todo o ano; Mesmo que um recife, barco afundado, ou rochas estejam a muitos metros de água, a estrutura pode ainda afectar as condições na superfície, a estrutura dura também afectará o fundo que o rodeia; procurem por peixes em seu redor.
Quando procuramos por predadores de alta velocidade como o atum, dourados marlins etc.., em alto-mar, o melhor é corricar com amostras de alta velocidade ou então lento se for com iscas vivas. Para os moradores do recife, como sargos, choupas,  pargos, etc, geralmente é melhor fundear ou manter o barco no local com os motores e deixar cair a nossas iscas para o fundo.
Os predadores do fundo também podem ser enganados com jigs pescando na vertical para o fundo e rapidamente trabalhando as amostras de volta para o barco como se fosse um  peixe pequeno tentando escapar ou moribundo. Os peixe que patrulham o fundo em torno das estruturas podem ser enganados fazendo derivas enquanto vamos trabalhando as amostras ou iscas naturais.
Estas estruturas são fáceis de encontrar nas cartas náuticas, tornando-os um óptimo lugar para começar a pesca em alto mar.

Torres e ajudas à navegação.

Estruturas feitas pelo homem, incluindo torres aéolicas, faróis, molhos e ajudas à navegação como bóias são tão valiosas para os peixes como elas são para os pescadores. Algumas espécies vivem no fundo da estrutura e outros procuram o seu perímetro.
Os peixes podem estar em qualquer lugar, em relação à estrutura, a favor ou contra a corrente e até  mesmo a centenas de metros de distância das mesmas. O primeiro passo para a captura de peixe, na pesca de alto mar é a utilização de uma sonda, e então identificar o quão fundo o peixe está, podemos assim utilizar a melhor táctica para colocar uma isca na frente deles.
Corricar com iscas naturais ou artificiais ao redor de uma torre ou bóia vai chamar a atenção de predadores.
Ao lutar com um peixe em torno de uma estrutura, é imprescindível a utilização de equipamento de alta qualidade de forma a podermos evitar roturas. Antes de pescar junto a uma torre ou bóias de navegação, não se esqueça de verificar os regulamentos locais, que podem restringir a pesca.


Quando pescamos junto à costa, procurem predadores que usam a costa como uma barreira natural para encurralar os peixes pequenos.


Montes e Montanhas Submarinas

Mesmo quando se pesca de alto mar em centenas de metros de água, a menor variação em profundidade às vezes em forma de colinas e montes pode conter um número surpreendente de peixes.
Essas cadeias de montanhas submersas desviam as correntes e oferecem aos peixes um lugar para se esconder, trazendo muitos nutrientes, fazendo com que sejam óptimos locais para a pesca de alto mar, também podem fornecer aos peixes condições mais favoráveis ​​de água, como a temperatura da água, nível de luz ou salinidade que podem estar fora da faixa para uma espécie em particular na parte inferior do monte do mar, mas apenas correta na parte superior.
Estas estruturas podem se estender por quilómetros, assim a melhor táctica para pescar em montanhas é fazer derivas com iscas naturais ou artificiais, muitas vezes os peixes, mantêm-se na mesma área. Quando capturamos um peixe, marcamos o ponto no GPS e voltamos ao mesmo local para encontrar mais. Este montes e montanhas submersas estão geralmente marcados nas cartas náuticas, assim estas estruturas são relativamente fáceis de encontrar. Procure as condições ideais de água e tempo sobre estas estruturas, e é muito provável que encontremos peixe.


Vales e o Talude Continental

Os vales, desfiladeiros e penhascos que marcam o fim da Plataforma Continental superam qualquer cadeia de montanhas em terra. Estas variações extremas força a subida de águas ricas em nutrientes das profundezas e abastece toda a cadeia alimentar, tornando o local perfeito para uma viagem de pesca de alto mar. Velocistas como o atum, marlins, golfinhos etc vêm aqui se alimentar na metade superior da coluna de água, enquanto gigantes como garoupas, chernes, gorazes, pargos ficam no fundo marinho.
Quando pescamos no Talude Continental, os pescadores geralmente corricam iscas naturais ou artificiais, enquanto que pescadores de fundo usam pescas muito mais pesadas e enormes para levar as iscas até ao fundo, é normal nesta situação usar carretos eléctricos devido à profundidade a que se pesca.
Para encontrar o peixe, procure variações na temperatura da água, On-line podemos também obter imagens e mapas da temperatura da água e correntes que são um recurso inestimável. Aves e cardumes de peixes alimentando-se na superfície são bons indicadores de actividade, muitas vezes o peixe vai ser visível na superfície.


Bons Indicadores

Para encontrar o peixe, procure variações na temperatura da água, online podemos também obter imagens e mapas da temperatura da água e correntes que são um recurso inestimável. Aves e cardumes de peixes alimentando-se na superfície são bons indicadores de actividade e muitas vezes o peixe vai ser visível à superfície. Um espectáculo!!!

A grande aventura…

Pescar em alto mar oferece-nos uma maior altura de água, mas também peixes de maior porte. Esta combinação de uma grande aventura e peixes grandes atrai pescadores das águas costeiras a sair para o azul selvagem.
Para se conseguir enganar um peixe de água salgada, você precisa pensar como um. Cinco factores afetam onde e quando o peixe irá alimentar: estruturas, correntes, temperatura da água, o tempo e as iscas.
Os peixes vivem num mundo tridimensional onde eles podem se mover horizontalmente ou verticalmente e potencialmente viajar milhares de quilómetros em busca de uma refeição. Alguns peixes são predadores de emboscada, enquanto outros perseguem as suas presas ou simplesmente se alimentam de vegetação ou invertebrados. Mas todos os peixes usam estes factores para encontrar comida e evitar serem comidos.
A compreensão de como todos estes elementos funcionam vai certamente ajudá-lo na procura de boas pescarias. < . >








Partilhar:


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *