O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player


  Início

  Noticias&
  Reports

  Artigos

  Destinos

  Loja Online

  Fotos

  Filmes

  Blogs de Pesca

  Equipamentos

  Tutoriais

  Informações

  Outras Coisas

  Colaboradores

  Parceiros

  Newsletter

  Comentários


  

  Coordenador &
  Digital Designer :
   José Luis Costa

  Conteudos:
   Veja Colaboradores

  Publicidade:
   Contacto

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player


TEXTO: Filipe Cintra (www.diasdefaina.spaces.live.com)
Fotos: Filipe Cintra e José Luis Costa

Isaac Newton, famoso investigador inglês dos sécs. XVII e XVIII, concluiu um dia que entre dois corpos materiais existe uma força de atracção mútua, ou seja, que dois corpos se atraem entre si. A essa força deu-lhe um simples nome: gravidade.
Newton concluía que todos os corpos se influenciavam entre si, uns mais e outros menos, mas todos tinham o seu papel; e que, quanto maior fosse a sua massa, maior o seu poder de atracção em relação a outros.
Ora as marés não são mais do que um reflexo da gravidade existente no Universo e da influência mútua exercida entre planetas, satélites, estrelas e outros corpos.
Factores determinantes
Assim sendo, o planeta Terra está perante e sob influência de dois grandes corpos com campos gravitacionais, o sol e a lua. Ora, como a intensidade de um campo gravitacional é inversamente proporcional à distância, então cada ponto da superfície terrestre está sujeito a uma intensidade gravítica diferente. Assim, concluímos que esta influência tem intensidades significativamente diferentes entre os pontos mais próximos e mais distantes da superfície terrestre em relação aos corpos influenciadores.
Vejamos primeiramente o efeito da lua. As massas de água oceânicas que mais próximas da lua estão, em cada momento, sofrem uma aceleração de intensidade bastante superior às massas de água oceânicas que se encontram do outro lado do nosso planeta. É, portanto, esta diferença que provoca as alterações que verificamos no nível da altura dessas mesmas massas de água à superfície da Terra.














Os fenómenos

Agora que sabemos por que existem marés, vamos entender outros pontos. Todos sabemos o que é a preia-mar (preamar) e a baixa-mar; mas, afinal, por que variam as amplitudes? Tem a ver com a fase da lua, muito bem, mas as fases não têm correspondência directa com o alinhamento entre Terra, lua e sol? Têm, claro que têm. Então podemos dizer que nas fases de lua cheia e lua nova, a acção gravitacional do sol está em concordância gravitacional com a lua, ou seja, os campos gravitacionais do sol têm a mesma direcção da lua, o que provoca marés mais altas e mais baixas em relação ao nível médio.
Quando o sol e a lua estão completamente alinhados, então dá- -se ainda outro fenómeno, que é chamada maré de Sizígia, mais conhecida como maré viva. Isto acontece porque ambas as acções gravitacionais, do sol e da lua, se somam, não havendo nenhuma que se anule. Observando a Figura 1, fica tudo mais explícito. Nas fases de quarto minguante e quarto crescente, temos o caso contrário, o sol está em discordância gravitacional com a lua, ou seja, a acção gravitacional do sol e a da lua estão em direcções diferentes, sendo que as forças do sol anulam parte das forças da lua. Daí as amplitudes de marés serem sempre mais baixas do que as anteriores.
Existe ainda um fenómeno que ocorre no primeiro dia após uma fase de quarto crescente ou quarto minguante, e que é apelidado de maré de quadratura. Esta maré ganha relevância porque é a altura em que se verifica a menor amplitude de maré e isso deve-se ao facto de o sol e a lua formarem um ângulo de 90º em relação ao planeta que habitamos.

Fig. 1: Fases da lua relativamente à posição do sol
Nas fases de lua cheia e lua nova, os campos gravitacionais do sol têm a mesma direcção dos da lua, o que provoca marés mais altas e mais baixas em relação ao nível médio
Momento de uma maré vazia.
A órbita da lua produz este fenómeno cíclico, a intervalos de cerca de 12 horas.
A escolha de pesqueiros em locais mar-dentro, como as pontas de pedra, os lajões, os braços de terra ou outros mais recuados, como baias ou recantos, tem, ou deve ter, como base o estado da maré.

As marés e a escolha dos nossos pesqueiros

Esta importante opção resulta da conjugação de vários factores, e o estado da maré é sem dúvida um desses factores. Excelentes pesqueiros na enchente podem ser péssimos na vazante e viceversa.
A escolha de pesqueiros em locais mar-dentro, como as pontas de pedra, os lajões, os braços de terra ou outros mais recuados, como baias ou recantos, tem, ou deve ter, como base o estado da maré.
Nos pesqueiros de costa, podemos ter como base a seguinte escolha: Quanto mais água houver, ou seja, quanto mais cheia estiver a maré, mais recuado posso pescar. Mas não se esqueça: como em tudo na pesca, não existem regras absolutas, apenas ideias base. Por exemplo, para quem pesca num dado molhe ou pontão, é natural fazer-se boas pescas no início dessa estrutura aquando da maré cheia, o mesmo não se verificando na baixa-mar. Ao invés, na ponta desse mesmo molhe pode ser naturalíssimo realizar-se boas fainas com a maré escorrida e estas fraquejarem quando a maré se encontra mais rija (leia-se cheia).
Pense como o peixe: um peixe só pode ir onde existe água; logo, com a maré cheia, pode alimentar-se em locais onde, com a maré vazia, estaria de papo para o ar.

 

 

 

As estruturas geológicas que
penetram o mar dão-nos acessos
interessantes, mas estão mais sujeitas
ao refluxo das marés
Conclusão
Já vimos ques as marés são devidas aos campos gravitacionais, e que a lua é a principal influenciadora, sem nunca nos esquecermos do sol.
Mas então, porque será que as marés são de doze em doze horas, aproximadamente? Podemos dizer que marés se repetem a cada doze horas e vinte e quatro minutos devido aos movimentos de rotação da Terra e da lua e à órbita lunar, que compõem essa quantidade de tempo.
Agora que já sabe (se é que já não sabia) os porquês das marés, está à espera do quê? Não é hoje que a maré é ideal para aquele pesqueiro especial?

Lua Nova

Bom à noite até amanhecer
Bom à noite até de manhã
Bom até ao meio-dia
Muito bom até ao meio-dia
Muito bom até ao meio-dia
Excelente toda a manhã


Quarto Crescente

Bom de manhã, médio à tarde
Bom de manhã, excelente à tarde
Médio todo o dia
Médio todo o dia
Médio todo o dia
Excelente do meio-dia à meia-noite
Excelente todo o dia


Lua Cheia

Médio todo o dia
Mau dia de pesca
Muito mau dia de pesca
Bom dia de pesca
Bom de manhã e médio ao meio-dia
Bom de manhã e mau à tarde
Bom de manhã até ao meio dia


Quarto Minguante

Bom até ao meio dia
Médio até à tarde
Médio até à tarde
Médio até à tarde
Bom ao meio-dia
Excelente ao meio-dia e à tarde
Excelente ao meio-dia e à tarde
Bom à tarde


 


Lances de sucesso como este passam por fenómenos vários, como a fase da lua ou a altura das marés.

Termos relativos às marés

Altura da maré - Altura do nível da água, num dado instante, tendo como ponto de referência o zero hidrográfico [ver abaixo].

Amplitude da maré - Variação do nível das águas, entre uma preia-mar e a baixa-mar imediatamente anterior ou posterior.

Baixa-mar - Nível mínimo as águas no final de uma vazante.

Escalas de marés - Réguas graduadas fixadas verticalmente na costa que permitirem a leitura do nível da maré em função da hora.

Estofo da maré - Também conhecido como reponto ou repouso da maré, ocorre entre marés e corresponde a um curto período de tempo (aproximadamente 6 a 10 min) em que não ocorre qualquer alteração na altura de nível. Corresponde ao momento de mudança do sentido da maré.

Idade da maré - Intervalo de tempo entre o instante da passagem da lua pelo meridiano do lugar (na lua nova ou lua cheia) e aquele
em que se dá a maré de maior amplitude.

Lua nova - Fase da lua em que o sol se encontra do mesmo lado, em ‘alinhamento’, e, consequentemente, a sua face iluminada está do lado oposto ao do observador na Terra.

Lua cheia - Fase da lua em que o sol se encontra no lado oposto da Terra e a luz do sol ilumina completamente a face da lua voltada para o observador na Terra.

Maré oceânica - Fenómeno de oscilação periódica do nível da água do mar, de subida e descida, provocada essencialmente pelas forças
de atracção da lua e do sol.

Maré de quadratura - Maré de pequena amplitude que se segue ao dia de quarto crescente ou quarto minguante.

Maré morta - Ocorre durante os quartos crescentes e minguantes e caracteriza-se por uma baixa preia-mar e uma alta Baixa-mar.

Maré de Sizígia - Nas luas nova e cheia, as marés lunares e solares reforçam uma a outra, produzindo as maiores marés-altas e as menores marés baixas também conhecidas como marés vivas.

Maré viva - Ocorre durante a lua nova e lua cheia e caracteriza-se por uma muito alta preia-mar e por uma muito baixa baixa-mar.

Marégrafo - Aparelho que regista automaticamente as oscilações do nível do mar.

Nível médio da maré - Plano horizontal virtual que se estabelece pela altura média de preia-mares e baixa-mares sucessivas.

Nível médio do mar - Superfície média dos oceanos, medida pontualmente pela rede internacional de arégrafos, que são usados para definir o sistema Datum altimétrico nacional de cada país.

Prea-mar ou preia-mar - Nível máximo atingido pelas águas no fim da enchente.

Quarto crescente - Fase da lua, entre a lua nova e a lua cheia, em que esta se encontra em quadratura com o sol e apenas se vê metade da face iluminada, em forma de D. A parte iluminada visível está em crescimento.

Quarto minguante - Fase da lua, entre a lua cheia e a lua nova, em que esta se encontra em quadratura com o sol e a face iluminada tem a forma de C; a parte iluminada visível está a decrescer.

Quadratura - Quando o sol e a lua formam um ângulo de 90º em relação à Terra.

Vazante - Período entre uma preia-mar e uma baixa-mar sucessivas, quando a altura da maré diminui.

Zero hidrográfico - Referência a partir da qual se define a altura da maré e é o plano de referência das profundidades indicadas (sondas) nas cartas náuticas.

Share |


CURRENT MOON

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Privacidade Copyright © 2010 - 2014 www.pesca-embarcada.com Sobre