O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Início

  Noticias

  Reports

  Artigos

  Destinos

  Entrevistas

  Loja Online

  Fotos

  Filmes

  Blogs de Pesca

  Equipamentos

  Tutoriais

  Informações

  Outras Coisas

  Colaboradores

  Parceiros

  Newsletter

  Comentários


  

  Coordenador &
  Digital Designer :
   José Luis Costa

  Publicidade:
   Contacto


Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Este elemento das canas é tão importante… mas a maioria dos pescadores
não lhes dá muito valor; ninguém pensa nas ponteiras das canas.

TEXTO: Filipe Cintra e José Salvador (www.diasdefaina.spaces.live.com)
Fotos: Filipe Cintra e Eduardo Piedade

Já há tanta coisa em que pensar, ainda me vou estar a preocupar com a ponteira? Vai esta e já está!. É assim que pensa o pescador despreocupado.
Primeiramente, são as ponteiras que vêm na compra da cana, ninguém se importa se são boas ou não, se os passadores estão bem distribuídos, e se esse passadores são finos demais ou não.
Depois, se essas ponteiras são as ideias para essa mesma cana: já nos aconteceu comprarmos excelentes canas com ponteiras que nem chegaram sequer a ser utilizadas; e porquê? Não eram nem boas nem más para aquela cana, eram inadequadas.
Por fim, e talvez na maioria dos casos, é a mesma ponteira para mares de azeite, para mares revoltos, para dias de peixe desconfiado — enfim, uma ponteira, desde que não parta, serve para tudo e para todos os dias. Já se questionou o porquê de uma cana trazer dois ou três tipos de ponteiras diferentes? Mas afinal que têm as ponteiras assim de tão especial? Então vejamos.
Sensibilidade e rapidez

Hoje em dia, e já de há alguns anos a esta parte, as ponteiras são essencialmente feitas de fibra de vidro ou de fibra de carbono. Com estes dois materiais, são executadas as mais variadas formas de ponteiras: longas, curtas, rígidas, flexíveis, e por aí fora.
As ponteiras de fibra de vidro são as rainhas da sensibilidade, característica que nos transmite todo e qualquer movimento em torno do isco/anzol. Por sua vez, as de carbono são as donas da eficiência no acto de ferragem. Com isto, queremos dizer que, em dias de peixe desconfiado, sobretudo em dias de mar parado, ao pescarmos em locais de maior profundidade as ponteiras de fibra de vidro estão em clara vantagem,

enquanto as de carbono são mais apropriadas para dias de grande azáfama no fundo, sobretudo em locais onde a profundidade não atinge enormes valores. São mais rápidas por transmitirem com maior eficiência à nossa montagem o acto da ferragem.
No entanto, há que ter em atenção que falamos apenas em termos gerais, pois existem ponteiras de fibra de vidro que são mais rígidas e menos sensíveis do que algumas de carbono. Nestes casos, a espessura manda!
Uma ponteira de fibra de vidro mais grossa pode tornar-se muito mais eficaz a ferrar peixe do que algumas ponteiras de carbono extremamente finas e todas elas flexíveis.
Talvez na maioria dos casos, é a mesma ponteira para mares de azeite, para mares revoltos, para dias de peixe desconfiado — enfim, uma ponteira, desde que não parta, serve para tudo e para todos os dias.
Ponteiras e canas
Mas a escolha das ponteiras não recai apenas neste dois factores. Lembra-se de, no início deste percurso, termos falado do tipo de canas? Pois bem, estas ‘mandam’ na escolha das ponteiras. Conforme temos dito, há que tentar chegar ao maior equilíbrio de todos os factores — neste caso, entre cana e ponteira.
Por exemplo, se uma cana é de acção de ponteira, não devemos colocar-lhe uma ponteira de carbono super rija, pois ficaremos com um conjunto extremamente rijo; e o resultado, mais lance menos lance, será uma ponteira partida ou até mesmo uma cana partida conforme presenciado. Há que saber conjugar cada cana com a sua ponteira. Tal como nas canas, também existem ponteiras parabólicas, semi-parabólicas e ‘de ponteirinha’, como são chamadas.
Conclusões
A partir daqui, pode concluir: quanto mais mole for a sua ponteira, maior será a sua sensibilidade e menor a sua eficácia no acto de ferragem; e vice-versa.
Outro aspecto a ter em atenção nas ponteiras é o dos passadores. A sua espessura e a sua distribuição são importantíssimas. Mais uma vez, deixamos-lhe um exemplo real do que acontece, por vezes: compramos uma ponteira de cujo comportamento gostamos mas, ao chegarmos a casa, a primeira coisa que lhe fazemos é retirar os passadores e recolocá-los ou, até, deitá-los no lixo e implementar uns novos. Pense bem antes de colocar uma ponteira na sua cana, pense também que canas mais gosta de usar; depois, é só saber conjugar estes dois elementos com o dia que terá pela frente. E se as situações de pesca se alterarem, não hesite e mude de ponteira também.
Share |


Montagens


CURRENT MOON

 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Privacidade Copyright © 2010 - 2013 www.pesca-embarcada.com Sobre